Notícias

Notícias

09.06.2024

Equidade na vacinação dos prematuros: ONG Prematuridade.com reforça pleito

Em abril de 2023, lançamos uma iniciativa buscando garantir que todos os bebês prematuros tenham acesso às vacinas indicadas para esse grupo de crianças e que hoje já estão disponíveis pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Para isso, elaboramos uma Carta Aberta, endereçada à Ministra de Estado da Saúde, Dra Nísia Trindade Lima, documento que recebeu apoio das seguintes instituições:

  • Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm)
  • Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)
  • Rede Nacional Primeira Infância (RNPI)
  • APAE Brasil - Federação Nacional das APAES
  • Instituto Pequenos Grandes Guerreiros (IPGG)
  • Instituto Protegendo Cérebros Salvando Futuros
  • Sociedade Brasileira para a Qualidade do Cuidado e Segurança do Paciente (SOBRASP)
  • ONG Amada Helena
  • Sindicato das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos do Estado de São Paulo (SINDHOSFIL/SP)

No Brasil, aproximadamente 12% dos bebês nascem com menos de 37 semanas de gestação. A saúde dos prematuros merece atenção especial, pois eles são mais vulneráveis a doenças e infecções do que crianças que nascem a termo.

Hoje, o Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde disponibiliza gratuitamente imunizantes específicos para bebês prematuros.

Um desses imunizantes é a vacina hexavalente, que apresenta muitas vantagens para esses bebês. É uma vacina “combinada e acelular”. Combinada significa que ela protege contra várias doenças em uma única aplicação (difteria, tétano, coqueluche, Haemophilus influenzae tipo b, hepatite B e poliomielite) e acelular porque ela é feita com partículas, em vez de células inteiras e, por isso, causa menos reações adversas e, se as reações acontecem, elas são bem mais leves. Então são menos picadas e menos efeitos colaterais.

Os bebês devem receber 4 doses da hexavalente: aos 2, 4, 6 e 15 meses de vida. Ela está disponível gratuitamente para prematuros que nascem antes de 33 semanas de gestação ou com menos de 1,5kg e pode ser encontrada nos CRIE, os Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais, serviços públicos, presentes em todos os Estados do país.

Em janeiro de 2024, o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz) assinou um acordo de transferência de tecnologia para a produção nacional dessa vacina.

Com base nas informações acima, atualizamos o texto da Carta Aberta, no sentido de reforçar a luta por equidade no acesso às vacinas para os prematuros. As iniciativas incluídas na Carta são as duas primeiras listadas abaixo. As demais, já constavam anteriormente:

  • A aplicação da vacina hexavalente acelular também nas Unidades Básicas de Saúde e em outros serviços da Atenção Primária;
  • A ampliação da rede dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE), de onde a vacina hexavalente é distribuída hoje, em todo o país e o investimento em melhorias nos serviços já existentes;
  • A promoção de campanhas sobre a importância e as especificidades do calendário vacinal do prematuro, com foco na população leiga e nos profissionais de Saúde;
  • A divulgação ampla dos protocolos de acesso e dos locais de referência para tais imunizações;
  • A ampliação da recomendação da vacina hexavalente acelular para todos os prematuros.

A versão atualizada da Carta Aberta está recebendo apoio de diversas instituições e coletivos, tanto os que apoiaram em 2023, quanto novos parceiros. Confira aqui

Da mesma forma, atualizamos o texto da petição pública. Se você ainda não assinou a petição, por favor, assine. Contamos com seu apoio!

Compartilhe esta notícia

Histórias Reais

Veja histórias por:

Receba as novidades

Assine nossa newsletter e fique por dentro de tudo que acontece no universo da prematuridade.