• Parceiros oficiais:
  • Efcni
  • March of Dimes
Arraste para navegar

Os 15 requisitos básicos de uma UTI Neonatal

09/08/2012


Lindo texto, como todos que o Instituto Abrace elabora! Título original: 'Delicadezas de UTI'. Porém, considero que se fossem requisitos básicos, tudo seria tão menos doloroso e angustiante... (no final do post, um desabafo!)

1. Dispor de uma sala de descanso para as mães com chá, água ou suco, torradas e biscoitos (especialmente em maternidades onde a mãe amamenta).

2. Se possível, servir lanches e refeições para as mães.

3. Permitir fotografias (feitas pelos pais ou pela equipe)

4. Permitir o livre acesso dos pais 24h.

5. Ter uma cadeira ao lado do berço.

6. Ter pelo menos um psicólogo no hospital.

7. Orientar os pais antes da primeira visita, apresentando a equipe pelo nome, e fornecendo infor mações em linguagem clara e de forma carinhosa sobre a criança, e um resumo simples sobre os equipamentos da UTI para não assustar os pais.

8. Permitir itens pessoais, desenho do irmão mais velho, ou uma foto, ou um santinho, observando as normas internas de higiene.

9. Na hora da chamada para entrar na UTI Neonatal, não se referir às mães e aos filhos como “RN de Maria”, e sim pelo nome do bebê ex: Mãe do Pedro, Ana ou Giovana.

10. Quando o quadro do bebê permitir, ensinar a mãe e o pai a realizar pequenas funções, ex: medir a temperatura, ou ainda se possível, trocar uma fralda.

11. Preparar os pais para cuidarem de seus filhos após a alta, certificando-se que eles compreenderam todas as instruções e cuidados.

12. Ter uma sala de consultas, onde o médico ou a equipe possa conversar com os pais com privacidade.

13. Saber que a equipe e os pais tornam-se uma “família de UTI”, e valorizar esse relacionamento, lembrando que cada um tem olhares diferentes sobre a criança.

14. Respeitar sempre as esperanças dos pais, sabendo que todas as informações já foram passadas sobre o estado da criança, as condutas adotadas, e tudo de maneira clara e precisa.

15. Em situação de perda de um bebê, oferecer informação aos pais de maneira cuidadosa, tranqüila, clara, sem pressa, em ambiente preservado. Permitir que estes tenham contato físico com o bebê, se assim o quiserem. Se possível, oferecer apoio psicológico neste momento e garantir retaguarda em ambulatório de psicologia.

 Fonte: http://www.institutoabrace.org.br/

 

Não poder tirar foto do seu filho?!? O desabafo de hoje...

Uma mãe muito querida que acabou de ter uma prematurinha de 28 semanas entrou em contato comigo. Ela me relatou que o hospital onde a pequena está não permite que ela tire fotos. Daí fiquei me perguntando: mas por que isso? Ok, foto com flash não é legal. E se o bebê está em isolamento de contato por algum motivo, ok: quanto menos pessoas e "coisas" entrarem na sala, melhor (mas mesmo assim...). Ah, e, claro, se usar o celular para tirar foto, não esqueça de lavar muito bem as mãos depois, celular é um objeto super contaminado! Mas fora essas situações, não consegui pensar em nehuma outra razão plausível para que uma mãe não possa tirar uma foto de um filho. Ainda mais de um filho na UTI... Isso me lembrou de algumas histórias que já contamos aqui, onde as mães disseram que nos hospitais em que os seus prematuros estavam, os pais tinham horários limitados para visita. Que atraso é esse, gente? Falta humanização em muitos lugares ainda... Que tal compartilharmos esse post por aí para sensibilizar essas pessoas?

#prontofalei


  • TAGS

Tem um bebê
prematuro?

Preencha nossos cadastro e ajude
a direcionar as ações da nossa ONG

Cadastre-se