• Parceiros oficiais:
  • Efcni
  • March of Dimes
Arraste para navegar

A saúde auditiva do bebê prematuro

17/08/2011




www.emergencycareforyou.org

     Informações úteis sobre os problemas auditivos na infância, podendo ser decorrentes da prematuridade, e dicas excelentes para preservarmos a saúde auditiva dos pequenos. Confiram!
     "A comunicação é primordial para a sobrevivência do homem, mas nem todos nascem perfeitos, com condições para se comunicar adequadamente. A surdez, por exemplo, é considerada um dos problemas físicos mais incidentes na população mundial. “Atualmente a medicina possui um amplo banco de estudos que permitiram a evolução nos tratamentos médicos e também na tecnologia que ajuda a melhorar a vida de quem sofre com problemas auditivos”, destaca Rita de Cássia Cassou Guimarães, otorrinolaringologista e otoneurologista .
     Existem várias causas para a surdez, que caracterizam o tipo de perda auditiva. A surdez congênita, por exemplo, é resultado de problemas que podem atingir o ouvido interno ou outras estruturas centrais. “A surdez neurossensorial distorce os sons e também prejudica o volume sonoro. É como se os sons fossem interpretados de maneira descoordenada pelo cérebro. Este tipo de perda auditiva pode se manifestar em qualquer idade, inclusive antes do bebê nascer”, ressalta.
     Quatro em cada 1000 nascidos vivos sofrem com surdez congênita, segundo estimativas do Instituto Britânico de Pesquisas Auditivas. O parto prematuro ou que tenha problemas durante a sua realização pode ocasionar este problema auditivo na criança. Isto pode ocorrer por falta de oxigênio ou quando o bebê tem icterícia – distúrbio caracterizado pela cor amarela da pele e do branco dos olhos causada pelo excesso de bilirrubina no sangue. “A bilirrubina é um pigmento gerado pelo metabolismo das células vermelhas do sangue e é metabolizada pelo fígado. Quando em excesso o pigmento pode prejudicar o nervo auditivo e as vias auditivas”, explica.
     A deficiência auditiva ainda pode ser causada por fatores hereditários, viroses, como a rubéola e o sarampo e doenças como a sífilis e a toxoplasmose que atingem a mãe durante a gestação, e a ingestão de medicamentos durante a gravidez que lesionam o nervo auditivo. “Desnutrição, excesso de peso, deficiências nutricionais, alterações na pressão arterial, diabetes e exposição à radiação da mãe podem fazer com que o bebê nasça surdo”, aponta a especialista, que é responsável pelo Setor de Otoneurologia da Unidade Funcional de Otorrinolaringologia do Hospital de Clínicas da UFPR.
     A cóclea, parte do ouvido responsável pela sensação auditiva e que tem o formato de um caracol, tem a sua função adulta normal depois da vigésima semana de gestação e o feto já é capaz de reagir a estímulos sonoros intensos. “Quando a criança nasce ela possui apenas a audição do tipo reflexa e com o passar do tempo, na medida em que o bebê passar por experiências auditivas, o processo de aprendizagem se desenvolve e surgem novas respostas aos sons”, enfatiza.
     Muitos pais têm dúvidas em relação aos cuidados com a saúde auditiva dos bebês após o nascimento. Rita esclarece que não é necessário modificar a rotina do lar por causa do recém-nascido. “O pai e a mãe devem ficar atentos ao volume dos sons do ambiente. Se o ruído estiver incômodo para os adultos, então também estará para a criança. Um cuidado muito importante é não introduzir objetos nos ouvidos do bebê para evitar lesões no sistema auditivo”, acrescenta a especialista.
     Durante o banho deve-se evitar a entrada de água nos ouvidos da criança. O ideal é que apenas a região externa da orelha seja lavada e seca com uma toalha macia. Na amamentação também é importante que o bebê seja posicionado corretamente, sempre com o tronco e a cabeça elevados. “Para a prevenção de deficiências causadas por doenças como meningite e caxumba é fundamental a vacinação no período indicado pelo médico”, finaliza."

Dra. Rita de Cássia Cassou Guimarães (CRM 9009)
Otorrinolaringologista, otoneurologista, mestre em clínica cirúrgica pela UFPR


(por Verônica pacheco e Carla Bastos Dias da Toda Comunicação)

Fonte: http://www.pautas.incorporativa.com.br/a-mostra-release.php?id=3603


  • TAGS

Tem um bebê
prematuro?

Preencha nossos cadastro e ajude
a direcionar as ações da nossa ONG

Cadastre-se