• Parceiros oficiais:
  • Efcni
  • March of Dimes
Arraste para navegar

Prematuridade: entenda as causas e os cuidados necessários

Confira tudo sobre o parto prematuro.

parto prematuro assusta, principalmente quando pensamos na saúde e no desenvolvimento da criança. No Brasil, cerca de 340 mil bebês nascem antes da hora todo ano, ou seja, mais de 12% dos nascimentos do país ocorre antes das 37 semanas de gestação, segundo o Ministério da Saúde. Para explicar algumas causas de prematuridade, o neonatologista Leonardo Nese, coordenador do Serviço Materno-infantil do CHN (Complexo Hospitalar de Niterói), revela algumas causas e cuidados que podem evitar o parto precoce. Mas, segundo ele, alguns dos motivos fogem à vontade dos pais.

A importância do pré-natal
O ponto crucial para evitar a prematuridade é um bom acompanhamento médico durante a gestação. Nessa fase, é possível identificar os problemas que podem levar ao parto prematuro. De acordo com Leonardo Nese, realizar um acompanhamento médico pré-natal de qualidade durante a gestação é fundamental. "O ideal é que haja, pelo menos, uma consulta mensal com o obstetra para identificar possíveis problemas durante a gravidez ou com o desenvolvimento do feto. O bom pré-natal é capaz de reduzir a mortalidade infantil e manter a saúde da futura mãe", afirma o neonatologista.

Malformação fetal
Alguns casos de malformação podem provocar parto adiantado e gerar algumas complicações. Nesse caso, Nese reforça ainda mais a importância de realizar um bom pré-natal, desde o desenvolvimento da criança até o monitoramento do pré-parto.

Patologias maternas
Algumas mulheres com diagnóstico de doenças uterinas como mioma, câncer de colo de útero ou colo de útero curto, por exemplo, podem ter parto prematuro. A infecção urinária é comum durante a gravidez, mas não a tratar pode representar um risco à saúde do bebê, além de provocar parto prematuro. As doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), como a AIDS, também podem adiantar o nascimento, pois afetam o organismo da mulher como um todo.

Idade materna
Mulheres que engravidam após os 35 anos estão mais suscetíveis ao parto prematuro, assim como mães adolescentes, com idade uterina imatura, também apresentam maior risco de acelerar o trabalho de parto.

Gestação de múltiplos
Hoje os casos de gestações múltiplas são mais comuns por causa do avanço dos tratamentos de fertilização. Nesses casos, a interrupção da gravidez antes da 37ª semana pode ser uma indicação médica para garantir a segurança e a saúde dos bebês.

Hipertensão e diabetes gestacional
Durante a gravidez, algumas mulheres apresentam aumento da pressão arterial, principalmente após a 20ª semana de gestação. "Durante o pré-natal, é importante monitorar cuidadosamente a pressão para evitar complicações como eclampsia, caracterizada por convulsões que podem ocorrer antes ou durante o parto, que leva risco à paciente. Mantendo-a controlada, isso não trará nenhum malefício à saúde do bebê", alerta Leonardo Nese. Além disso, outras doenças também podem adiantar o nascimento do bebê, como o diabetes gestacional, causada, principalmente, pelo ganho de peso expressivo materno. Para combater ambas as patologias, é preciso manter uma alimentação equilibrada e praticar exercícios físicos com orientação médica.

Os cuidados necessários com o bebê prematuro

O Dia Mundial da Prematuridade é comemorado em 17 de novembro. Pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgada em dezembro de 2016, mostra que a taxa de prematuridade no país é de 11,5%, quase duas vezes superior à observada nos países europeus. A coordenadora de enfermagem e responsável pela UTI Neonatal da Maternidade Brasília, Dayane de Barros Ferreira, afirma que a data é importante para a conscientização dos cuidados com o bebê prematuro e apoio à família que tem filhos internados em UTI Neonatal. "Os pais esperam que o bebê vá para casa, mas quando ele nasce antes do tempo e precisa receber cuidados especiais, há uma separação. Então, esses pais também precisam de apoio", esclarece.

Normalmente, uma gestação dura cerca de 40 semanas. O bebê prematuro é aquele que nasce com menos de 37 semanas. Quando isso ocorre, o bebê fica um longo período hospitalizado, porque os órgãos ainda não estão totalmente formados: coração, cérebro, pulmões, pele são alguns dos órgãos que ainda precisarão crescer e se desenvolver em ambiente extrauterino. O bebê prematuro precisa respirar sozinho (sem aparelhos), ganhar peso, crescer e conseguir mamar adequadamente para receber alta.

Com tantos detalhes para aprender, os pais devem permanecer o maior tempo possível, acompanhando os cuidados da equipe e conhecendo seu filho. Na Maternidade Brasília, os pais podem acompanhar o seu bebê 24 horas por dia dentro da UTI Neonatal e são convidados a participar da rotina e dos procedimentos, sempre que possível. "Esse é um diferencial que auxilia na recuperação do bebê, uma vez que ele pode ter um contato mais frequente com os pais", explica Dayanne de Barros Ferreira.

Para que o bebê consiga se alimentar diretamente no seio da mãe é feito um trabalho de estimulação com o auxílio das fonoaudiólogas. De acordo com a coordenadora da equipe de fonoaudiologia da Maternidade Brasília, Bivanete Cândido Araújo, a coordenação entre sucção, deglutição e respiração é um processo complexo e indispensável na introdução de uma via oral segura para os recém-nascidos. Bivante Araújo reforça que o trabalho de toda a equipe é focado para que o bebê se recupere o mais rápido possível. "Quanto mais ele for estimulado da forma adequada, mais rápido ele suga e pode ir para o aleitamento exclusivo no seio materno. Isso oferece segurança para a mãe e para o bebê, que pode voltar para casa mais cedo do que o esperado".

Leite materno
Os profissionais da Maternidade Brasília estimulam a ordenha beira leito. A mãe retira o próprio leite que é ofertado imediatamente para o seu bebê. "Na maioria das vezes, o prematuro nasce apresentando desconforto respiratório ou com baixo peso e não pode iniciar sucção em seio materno de forma imediata, pelo esforço que é feito durante amamentação. Por isso, o leite é ofertado direto nas sondas", destaca Dayane.

O Banco de Leite Humano é responsável pela promoção, incentivo ao aleitamento materno, auxílio às mães que tenham dificuldades na amamentação, além de realizar a pasteurização desse leite, que é o processo para verificar a integridade e esterilidade das doações recebidas. A Maternidade Brasília possui um Banco de Leite Humano especializado e certificado com padrão Ouro. Ele assegura a doação, o processamento adequado e a distribuição do leite materno, cumprindo as normas técnicas de processamento e controle de qualidade. Além de oferecer estrutura física, equipamentos e recursos humanos especializados.

UTI Neonatal
É o setor especializado para receber e atender os bebês prematuros ou em estado delicado de saúde. De acordo com a responsável pela UTI Neonatal da Maternidade Brasília, Dayane Ferreira, a equipe especializada está à disposição 24 horas. "São médicos neonatologistas, pediatras, cardiologistas pediátricos, psicólogos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, entre outros profissionais. Além da equipe de enfermagem especializada em cuidados com recém-nascidos e enfermeiras especialistas em neonatologia", reforça.

Além da participação integral dos pais nas atividades do setor, a UTI Neonatal da Maternidade Brasília preza pela humanização no cuidado e conta com alguns projetos, como o Projeto Octo, em que polvos de crochê ajudam os recém-nascidos a se sentirem mais seguros e confortáveis durante o processo de internação e recuperação. Também possui o Horário do Soninho, que ocorre diariamente e é o momento em que todas as luzes da UTI são desligadas e nenhum procedimento é realizado para que o bebê tenha um momento de relaxamento.

Como prevenir
Alguns fatores aumentam a possibilidade de um parto prematuro como a gestação de prematuro anterior, tabagismo e a idade da mãe (mulheres acima de 35 anos e abaixo de 17 anos). "A melhor maneira de prevenir um parto prematuro é fazer um acompanhamento pré-natal adequado desde o início da gestação", ressalta a coordenadora de enfermagem, Dayane de Barros Ferreira.

Fontes: Terra e Terra.
(Foto: DINO)



Tem um bebê
prematuro?

Preencha nossos cadastro e ajude
a direcionar as ações da nossa ONG

Cadastre-se