• Parceiros oficiais:
  • Efcni
  • March of Dimes
Arraste para navegar
envie sua história

O nascimento de Lara Maria

08/11/2013

Estava indo tudo bem em minha gravidez, pouco enjôo e tudo normal. Quando completei 6 meses, comecei a inchar muito, desconfiei e fui medir a pressão arterial, que estava alta: 14/8. Dali por diante, fiquei em repouso, mas nada adiantava, até que começou a aumentar muito: para 17/10. Me mandaram para a maternidade, onde fui diagnosticada com pré-eclampsia. Lá fiquei internada por 2 dias e me liberaram, pois não tinha dores nem nada, somente a pressão alta e fui medicada.

Depois de 3 dias, minha pressão foi para 18/9, aí tive que internar novamente. Fiquei por 15 dias, para ver se segurava mais, pois só estava com 34 semanas. Mas nenhum medicamento baixava minha pressão, eu estava muito inchada e na base de sedativos, dormia o dia todo. Tomei 2 doses de corticóide para o pulmãozinho da Lara, até que, no dia 26.03.13, o ultrassom mostrou que minha princesa já estava quase sem oxigênio. O resultado saiu só na parte da tarde, isso foi na troca dos médicos das 19h. O doutor que ia entrar me disse que eu iria para a cesárea, isso me assustou, pois só estava de 36 semanas.

Tomei banho e fui para a cesárea sem saber de nada que estava acontecendo. Ninguém me contou que o ultrassom havia centralizado, que minha pressão poderia aumentar ainda mais, e eu achando que estava tudo bem. Mas o médico já tinha avisado minha família que talvez ela não sobrevivesse ou ficaria na UTI, pois estava quase sem oxigênio já fazia algum tempo (o ultrassom havia sido feito às 10h da manhã e o resultado saiu já era 18h). Fui para a cesárea.

Minha pressão ficou controlada, assisti tudo muito bem, conversando com o médico, não passei mal com nada. Graças a Deus e Nossa Senhora Aparecida, a Lara nasceu chorando e com o pulmão ótimo! Pesando 2,140kg e medindo 43cm, minha princesa veio ao mundo às 20h13min! Não precisou ir pra CTI, foi direto para o berçário, e minha recuperação também foi ótima. Ela passou 1 dia todo na incubadora e, assim que tive alta, fui com ela para a pediatria, pois ela não sabia sugar o peito. Ficamos 3 dias lá, ela teve icterícia e precisou ficar na fototerapia. Logo nós duas saímos.

Hoje ela está com 5 meses e 10 dias, pesando quase 8kg. Muuuuito esperta e gordinha. Nada é impossível para Deus! Ter um filho prematuro é uma lição de vida, só quem passou por isso sabe. Não adianta dizer ‘eu imagino’, pois não imagina! Mas nós, mães de prematuros, somos especiais. Fomos escolhidas porque somos diferentes, somos super mães!”


Flávia, mãe da Lara Maria

Leia mais histórias de bebês prematuros.

envie sua história

  • TAGS

Tem um bebê
prematuro?

Preencha nossos cadastro e ajude
a direcionar as ações da nossa ONG

Cadastre-se