Notícias

Notícias

10.03.2023

Baralho da prematuridade: reflexões para minimizar a dor

Minimizar a dor, maximizar o amor e o acolhimento.

Assim, com esse objetivo, nasceu o baralho da prematuridade.

Da escuta de dezenas de atendimentos realizados pelas profissionais Sueli Lopes e Simone Dantas, coordenadoras do Núcleo de Saúde Mental da ONG Prematuridade.com, através dos relatos de mães e pais de prematuros que estão ou estiveram na UTI Neonatal e de mães e pais em luto.

São frases citadas com frequência por profissionais de saúde, familiares e amigos, e que podem causar dor.

Sabemos, e eles também sabem, que a intenção é ajudar. Porém, certos comentários, além de não serem nada acolhedores, ainda intensificam a dor e a angústia dos pais.

Esperamos poder contribuir para a saúde mental destes pais, e trazer reflexão e um melhor acolhimento desta dor, que não deve jamais ser subestimada e nem pode ser suprimida.

A ideia é que o baralho possa ser trabalhado pelas equipes de saúde e famílias de bebês prematuros.

Abaixo, o conteúdo de cada carta com seu devido contexto:

1. "Seja forte!"

Em geral, essa mãe e esse pai entendem isso como uma cobrança, como se eles não estivessem sendo fortes o suficiente, como se não pudessem fraquejar, como se tivessem que olhar para aquele cenário e não sentir nada. E muitas vezes eles vêm sendo fortes desde o dia em que souberam de uma possível prematuridade.

Em vez de dizer "seja forte", diga "você pode contar comigo", "sei que está fazendo o seu melhor", "tem meu ombro, meu tempo para te ouvir," "sei que não está sendo fácil, mas pode chorar, desabafar, estou aqui".

2. "Vai passar!"

O atravessamento da prematuridade nunca passará, ela é parte da história desse bebê, dessa família, um marco para sempre. As lembranças ruins sim, serão diluídas, e aos poucos o foco será direcionado para o desenvolvimento desse bebê, dessa família. Então jamais diga "vai passar". Esses pais sentem como se essa pessoa olhasse com descaso a jornada da prematuridade que eles passaram.

3. "Agradeça, porque tem gente que quer ter filho e não consegue!"

Dentro da prematuridade não cabe nenhuma comparação, quando se fala isso para uma mãe ou pai de prematuro o que eles vão sentir, em especial a mãe, é culpa, e esse sentimento ela já está carregando dentro de si. Não potencialize ainda mais!

4. "Agradeça que seu bebê está vivo!"

Ter o bebê vivo não significa felicidade, nem vantagem para essa mãe ou pai do prematuro. Não basta ter o bebê vivo, eles buscam que o bebê esteja bem, que saia logo da UTI, que possam ir para casa e iniciar o processo de parentalidade efetivamente. Muitos pais não conseguem crir um vínculo com seu bebê instantaneamente e isso é natural, pois o vínculo decorre de uma construção diária.

5. "Você tem que amamentar"

Toda vez que usamos as palavras “tem que” colocamos como uma obrigatoriedade e quando a mãe por algum motivo não consegue amamentar seu bebê - o que não é raro no contexto da prematuridade -, ela sente como se fosse um fracasso e como se não estivesse sendo uma boa mãe. Em vez de “tem que” procure usar o "faça o que for possível".

6. "Você não pode chorar"

Chorar é uma forma de expressar o sentir, quando você diz para alguém que ele não pode chorar é como se estivesse dizendo que ele não pode sentir e isso fica confuso e mais doloroso para essa pessoa. Ela é uma mãe ou um pai, um ser humano, e seu bebê vai entender que os sentimentos de alegria e tristeza existem e muitas vezes são expressos com choro.

7. "Como ele é pequeno!

Isso já é algo que a mãe e o pai percebem e que os faz ficar muito tristes e preocupados, ao ver que seu filho ou filha não tem o tamanho esperado, e sentem medo. Quando alguém de fora faz esta observação, acaba acentuando este medo e esta preocupação.

8. "Você é jovem, logo engravida de novo!"

Cada filho é único e assim vai ser sempre, cada um ocupa o seu lugar e não pode ser substituído. Uma nova gravidez é uma nova história e não apaga a história anterior. Quando falamos isso para uma mãe ou para um pai, eles sentem que sua dor é minimizada, assim como seu amor pelo bebê.

9. "Não fica triste..."

Como não ficar triste ao ver seu bebê numa incubadora, cheio de fios, pequeno e aparentemente frágil? Quando falamos para os pais não ficarem tristes, é como se não estivéssemos validando seu amor pelo bebê, eles sentem que deveriam se desligar da situação. Mas obviamente não conseguem, e isso aumenta o sofrimento.

10. "Não se preocupe"

Os pais sabem que seu bebê está em boas mãos, mas sentem angústia, medo do que possa vir a acontecer. Quando eles ouvem o “não se preocupe” é como se o sentimento pelo seu bebê fosse invalidado e eles estivessem exagerando, podendo sentirem-se mais confusos e angustiados.

11. "Vai dar tudo certo!"

Esta é uma afirmação que indica que nós sabemos como as coisas vão seguir e, na realidade, não podemos dar garantias. Os pais sabem que ninguém pode garantir nada, somente torcer, rezar, desejar que tudo dê realmente certo. Alpem disso, o que pode ser considerado “dar certo” para você pode não ser a mesma coisa na visão dos pais.

12. "Tenha fé!"

Quando os pais ouvem isso, o sentimento pode ser de que eles não estão fazendo o suficiente e por isso ele está passando por dificuldades. É como se você dissesse a eles que a falta de fé está dificultando as coisas e isso os faz sentiemr ainda mais culpa. Eles certamente dispõe de alguma fé, não necessariamente religiosa, mas no sentido de acreditar, e é isso que os faz rumar à UTI todos os dias e a não desistirem de seus filhos.

13. "Doe tudo (do bebê), daí você esquece!"

Uma das frases mais cruéis que um pai ou mãe de prematuro que perdeu seu bebê e está em luto pode ouvir. A decisão de desfazer-se dos pertences desse bebê pertence única e exclusivamente a essa família, o tempo é deles, tudo que é desse bebê precisa ser vivenciado, sentido, olhado, abraçado, cheirado, todos esses objetos fazem parte dessa caminhada pelo luto e é necessário respeitar esse processo.

14. "Você ainda está falando sobre isso? Já passou!"

Precisamos entender a necessidade dos pais de estar sempre falando nessa dor. Quando uma demanda, seja ela qual, for ainda não está resolvida dentro de uma pessoa, há a necessidade de se falar, falar até secar a dor. Permita que eles falem, falem quantas vezes quiser,em pois, quanto mais eles falarem, mais diluíao essa dor será. Simplesmente escute com empatia e nunca critique. Essa dor, para eles, ainda é muito viva, ainda não passou!

15. "Seu bebê ainda está internado?"

A internação de um bebê prematuro em muitos casos é longa, de meses. Quando alguém faz este tipo de observação os pais sentem que pode ter algo errado com o bebê deles e, por isso, o tempo de internação é grande. Isso os faz sentir ainda mais apreensivos do que já estão.

16. "Por que eu não posso visitar?"

Sabemos que todos querem visitar o mais novo membro da família, mas precisamos entender que um bebê prematuro, ao chegar em casa, demanda cuidados especiais. É um novo tempo da prematuridade, onde os pais irão iniciar um novo vínculo com esse bebê, que antes estava separado deles, e eles precisam de tempo. Esse tempo precisa ser respeitado por todos, inclusive os familiares próximos, como avós. Sem contar que o sistema imunológico do prematuro costuma ser mais vulnerável, então a restrição de visitas, pelo menos por um tempo, é necessária para protegê-lo de doenças e infecções. Caso os pais autorizem, vá somente para ajudar, e nunca para criticar nada. Eles estão precisando somente disso: amor e acolhimento!

17. "Seu filho nasceu prematuro, nossa! Será que foi alguma coisa que você fez?"

A mãe de prematuro já carrega uma culpa enorme, na verdade ela se culpa por tudo e isso pesa e é adoecedor. Jamais questione sobre alguma coisa que essa mãe possa (ou não) ter feito. A prematuridade ocorreu e o que ela precisa é de acolhimento e não justificativas para o que aconteceu.

18. "Meu bebê já sentava com essa idade, por que o seu ainda não senta?"

Evite comparações: um bebê prematuro tem as suas particularidades. Ao fazer qualquer comparação estamos diminuindo o potencial desse bebê para sua mãe que está ainda se acostumando a essa nova realidade. Não compare! Admire, elogie, incentive!

19. "Você tem que amar seu bebê!"

O amor não nasce pronto, é uma construção do dia a dia. Nem sempre a mãe ou pai de prematuro estabelece um vínculo com seu bebê de imediato. Estar junto e participar dos cuidados diários com o bebê, bem como o pele a pele, ajudam neste vínculo. Não cobre aquilo que aquela mãe ou pai não podem dar naquele momento, baseado em crenças do amor parental inato e instintivo.

20. "Por que você não vai ao hospital? Você queria tanto este bebê..."

A gravidez pode ter sido planejada, mas a prematuridade quase sempre, não. Então estes pais estão lidando com o novo, num momento em que acabaram de passar por um parto - por vezes traumático - e estão vivendo as mudanças físicas e emocionais do pós-parto. A mãe geralmente sente cansaço e precisa ter cuidados consigo mesma. Talvez para ela seja difícil estar diariamente lidando com a situação da UTI Neonatal. Não ir ao hospital não significa falta de amor, apenas um tempo para recuperar as energias.

Faça aqui o download do Baralho da Prematuridade.

Autoras: Sueli Lopes e Simone Dantas, coordenadoras do Núcleo de Saúde Mental da ONG Prematuridade.com

Compartilhe esta notícia

Histórias Reais

Veja histórias por:

Receba as novidades

Assine nossa newsletter e fique por dentro de tudo que acontece no universo da prematuridade.