• Parceiros oficiais:
  • Efcni
  • March of Dimes
Arraste para navegar

VSR: Principal vírus causador de bronquiolite em bebês prematuros pode ser evitado

29/10/2018 Estudos indicam que, em todas as regiões do Brasil, assim como em todo o mundo, o Vírus Sincicial Respiratório (VSR) é a principal causa da doença e o contágio pode ocorrer em qualquer época do ano, sendo maior durante o período da estação de circulação do vírus.

A bronquiolite é uma das principais infecções respiratórias e causa de hospitalizações em bebês, principalmente abaixo de dois anos de idade. É comumente mais grave em bebês nascidos prematuros, com cardiopatias congênitas ou broncodisplásicos. Estudos indicam que, em todas as regiões do Brasil, assim como em todo o mundo, o VSR é a principal causa de bronquiolite. O contágio pode ocorrer em qualquer época do ano, sendo maior durante o período da estação de circulação do vírus.
A recomendação, para os bebês de maior risco, como prematuros, cardiopatas e/ou broncodisplásicos, é adotar medidas preventivas antes de entrarem em contato com o Vírus Sincicial Respiratório (VSR), devido a vulnerabilidade desse grupo a bronquiolite. Para isso, na região Norte devem ser imunizados entre os meses de janeiro a junho, independente do mês de nascimento, isto é, mesmo os bebês nascidos entre julho e dezembro devem ser imunizados na próxima estação de maior circulação do VSR. Segundo o calendário de imunização de bebês prematuros, na região Norte, a imunização deve ser feita de janeiro a junho; nas regiões Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste, de fevereiro a julho; e, na região Sul, de março a agostos.

Infelizmente, ainda não há vacina para essa doença. A prevenção é feita através da imunização passiva, a única forma disponível hoje, a medicação chamada palivizumabe. É feita através da injeção da imunoglobulina (anticorpo) cuja função é neutralizar o vírus e inibir a sua proliferação no organismo. Segundo a recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a imunização deve ocorrer em doses mensais, por um máximo de cinco meses, conforme prescrição e orientação médica. Para bebês prematuros até 28 semanas de idade gestacional até um ano de idade, e bebês com displasia broncopulmonar ou cardiopatia congênita até dois anos de idade, a imunização é fornecida gratuitamente pelo SUS. A imunização contra o VSR também faz parte do rol de procedimentos obrigatórios oferecidos pelos planos de saúde, segundo determinação da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) para os bebês que estão no protocolo do Ministério da Saúde, estando internados ou não.

"Os bebês de risco nascidos nos meses que antecedem a estação de pico de circulação do VSR também devem ser imunizados assim que inicie a estação, e não só aqueles nascidos durante o período de maior circulação do vírus", informa o especialista Dr. Renato Kfouri, da Comissão de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) preconiza também a imunização para os prematuros de 29 a 32 semanas, mas ainda não está incorporado no Ministério da Saúde, é uma recomendação que consta nos calendários de vacinação.

A bronquiolite é uma infecção nos bronquíolos, ramificações dos brônquios que levam oxigênio aos pulmões. A infecção provocada pelo VSR causa excesso de muco e estreitamento nesses bronquíolos, comprometendo a absorção de oxigênio. Entre os sintomas, o bebê fica com dificuldade para respirar e falta de ar. O VSR é altamente contagioso, sendo transmitido pelo ar, por toque e mesmo por objetos contaminados. Depois da bronquiolite instalada, existem somente medidas paliativas para alívio dos sintomas. Por isso, é tão importante a imunização antes que o bebê entre em contato com o vírus.

Além disso, o Dr. Renato lembra que além da possibilidade maior de contrair as doenças graves como bronquiolite e pneumonia, com risco de complicações, hospitalização e até morte, caso os bebês não estejam imunes, “o VSR também muitas vezes repercute em consequência a longo prazo, com chiado recorrente e asma frequente, por exemplo, comparado com bebês que não tiveram essas infecções”.

Para mais informação sobre o calendário de imunizações de bebês prematuros, acesse aqui.


  • TAGS

Tem um bebê
prematuro?

Preencha nossos cadastro e ajude
a direcionar as ações da nossa ONG

Cadastre-se