• Parceiros oficiais:
  • Efcni
  • March of Dimes
Arraste para navegar

Valentina: verdadeiro milagre

20/03/2018 Valentina.

"Meu nome é Alessandra. Com 38 anos na época, após 2 abortos, consegui engravidar novamente. Neste meio tempo, descobri trombofilia. Já tenho 2 filhas moças, de 18 e 13 anos, e não tive nenhum problema nas gestações anteriores, tanto que ambas nasceram de parto normal. A Dra. hematologista disse que minha trombofilia não era genética e sim adquirida talvez até pela minha idade. Começamos imediatamente as aplicações de heparina (anticoagulantes) diariamente na barriga afim de evitar um novo aborto. Foram 161 picadinhas de amor.

Com 21 semanas, realizamos a eco morfológica que indicava tudo perfeitamente bem. Mas, com 23 semanas, minha pressão começou a subir, com 24 mais ainda e com 25 já estava tomando o limite de comprimidos para controlar. Foi aí que meu gineco solicitou uma eco para identificar uma possível pré-eclâmpsia. Dito e feito: com alterações de fluxo venoso, minha bebê não recebia mais nada através do cordão umbilical e podia vir a óbito a qualquer momento, pois nem peso havia ganhado nas últimas semanas.

Fui internada imediatamente afim de conseguir segurar o máximo de tempo possível para fortalecer o pulmão dela e ganhar mais algum peso. Mas ambas corríamos risco de vida. Internamos na segunda-feira, dia 19 outubro de 2015. No domingo, dia 25, não havia possibilidade de espera, poderia ser fatal. Fomos enfrentar pela primeira vez uma cesariana com direito a aplicação de sulfato de magnésio. Horrível! Neste dia, nasceu nosso verdadeiro milagre Valentina com 28 semanas, pesando 560 gramas e medindo 29 cm.

Foram 131 dias difíceis na UTI. Enfrentou muitas lutas como: anemia, 5 transfusões, hemorragia digestiva, parada respiratória, displasia pulmonar, convulsão e outras coisas. Após 4 meses e 11 dias, com 3 kg e 100 gramas, fomos para casa. E, para Glória do Senhor, não tem nenhuma sequela. Seu nome é Valentina Luisa Tietz. Esta semana, dia 6 de março de 2018, fez 2 anos que ela saiu da UTI e veio para casa."

(relato da mamãe Alessandra, enviado em 2017)



Tem um bebê
prematuro?

Preencha nossos cadastro e ajude
a direcionar as ações da nossa ONG

Cadastre-se