• Parceiros oficiais:
  • Efcni
  • March of Dimes
Arraste para navegar

Trauma de pais de prematuros é similar ao vivido em guerras

18/07/2012


Bom dia, pessoal! Tudo bom?

Esses dias estava conversando com uma mãe que teve uma prematurinha de 25 semanas que passou por poucas e boas na UTI Neonatal (inclusive uma
enterocolite muito severa).

Ela me perguntou se eu sabia de alguma coisa sobre estresse pós-traumático em mães de prematuros. A filhinha dela agora já tem mais de 2 anos e, mesmo assim, ela diz que volta e meia sonha com a época em que a filha estava em estado crítico na UTI e bate uma tristeza daquelas, só de lembrar de tudo que já passaram.

Então fui procurar alguma coisa sobre o assunto, já que fiquei super tocada com esse relato, quis ajudar de alguma forma.

Achei essa matéria do The New York Times publicada pelo Terra. Excelente texto que aborda o quão traumática ("similar ao vivido em guerras!!!") pode ser a passagem por uma UTI Neonatal para mães e, conforme os estudos, mais ainda para pais de prematuros. O texto "assusta" um pouco no final quando diz que os pais PODEM desenvolver isso ou aquilo... Mas tirando essa lista de probabilidades, a matéria é super informativa, espero que ajude!









Fonte: The New York Times

"Jaxon, filho de Kim Roscoe, nasceu 3 meses prematuro, pesando apenas 1,2 kg. Mas durante 9 dias, ele apresentou bons sinais na Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais (NICU, sigla em inglês), e Roscoe não se sentia muito diferente de outras mães de recém-nascidos. O pesadelo começou no 10°dia.

"Eu fui para casa na madrugada anterior, depois de tê-lo no colo, pequenino, mas perfeito", conta Roscoe, 30 anos, de Monterey, Califórnia. Mas ao retornar ao hospital no dia seguinte, Jaxon havia sofrido parada renal e respiratória, e seu corpo estava inchado, irreconhecível. "Ele estava respirando com a ajuda de aparelhos, tinha a pele escura, e os alarmes disparavam sem parar", conta Roscoe.

Agora com 16 meses, Jaxon vive em casa com a família. Mas passou 186 dias na NICU, e quase morreu em diversas ocasiões. Durante esse ordálio de 6 meses, Roscoe tinha pesadelos constantes. Dormia de sapatos, esperando um telefonema do hospital a qualquer minuto. Passava o tempo todo irritada com as pessoas que a cercavam, e tão assustada que certo dia um ruído no supermercado a fez imaginar que um dos alarmes de Jaxon havia disparado. Seu marido, Scott, envolvido em diversos projetos de trabalho, tomava conta da filha do casal, Logan, e mantinha o controle emocional em benefício de ambos.

Cerca de 3 meses depois do parto, Roscoe consultou um psiquiatra, que diagnosticou síndrome de estresse pós-traumático (SEPT) - um problema mental mais associado aos sobreviventes de guerra mas que agora começa a ser considerado como possível em pais de bebês prematuros que passam muito tempo em cuidado intensivo.

Um novo estudo da escola de medicina da Universidade de Stanford, publicado pela revista Psychosomatics, acompanhou 18 desses pacientes, tanto homens como mulheres. Depois de quatro meses, 3 deles tiveram diagnósticos de SEPT e outros 7 eram vistos como em forte risco da doença.

Em um segundo estudo, pesquisadores da Universidade de Duke entrevistaram pais 6 meses depois do nascimento de um bebê e estimaram seus resultados em termos de 3 sintomas de estresse pós-traumático: negação, hiperexcitação e recordações ou pesadelos recorrentes. Dos 30 pais estudados, 29 apresentavam 2 dos 3 sintomas, e 16 apresentavam os 3.

"A UTI Neonatal é como uma zona de guerra, com os alarmes, ruídos, morte e doença", diz Roscoe. "Não dá para saber quem vai morrer e quem vai recuperar a saúde".

Os especialistas dizem que pais de crianças internadas em uma NICU sofrem múltiplos traumas, começando pelo parto prematuro, que muitas vezes é decidido de maneira inesperada.

"O segundo trauma é ver o bebê passando por procedimentos médicos traumáticos e riscos de vida, e também testemunhar experiências semelhantes para outros bebês", disse o Dr. Richard Shaw, autor do estudo de Stanford, onde ele leciona psiquiatria infantil, e médico do Lucile Packard Children's Hospital.

"E, terceiro, esses pais muitas vezes recebem uma sucessão de más notícias", ele prossegue. "Más notícias que chegam sem parar. É diferente de um acidente de carro, um assalto ou um estupro, onde há um único trauma, mas o evento passa e a pessoa precisa enfrentar as consequências. No caso de bebês prematuros, a experiência traumática volta a ocorrer vezes sem conta".

Abby Schrader e sua parceira, Sharon Eble, tiveram gêmeos na 23ª semana de gestação. As duas meninas, nascidas com peso de 600 gramas cada, passaram por uma longa série de riscos de morte. "Nós tínhamos de responder toda hora se queríamos ou não desligar as máquinas", conta Schrader, de Filadélfia.

Passados 18 dias do parto, o casal decidiu desligar os sistemas de sustentação artificial de uma das meninas, cuja saúde havia se deteriorado de maneira ainda mais grave. A outra, Hallie, que agora tem 3 anos, passou 121 dias na NICU e continuou a enfrentar problemas médicos depois da alta. "Desde o momento em que nasceram, e até hoje, nós sentíamos que tudo era uma triagem, que tudo era um sofrimento que precisávamos suportar", disse Schrader.

O estudo de Stanford apontou que embora nenhum dos pais enfrentasse sintomas de estresse agudo enquanto seus bebês estavam na NICU, o estresse pós-traumático posterior que apresentavam era superior ao registrado entre as mães.

"Depois de 4 meses do parto, 33% dos pais e 9% das mães apresentavam SEPT", disse Shaw.

Pode ser que papéis culturais forcem os homens a manter uma fachada de mais coragem durante o período de internação, para servir como apoio às suas parceiras, diz Shaw, acrescentando que "mas passados 3 meses, quando as mães se recuperam, chega o momento em que os homens podem ceder diante da pressão".

O estresse pós-traumático pode tomar a forma de pesadelos ou recordações obsessivas. Os pacientes podem sentir pânico sempre que ouvirem um apito em uma unidade de tratamento intensivo, ou podem tentar evitar o trauma deixando de visitar o hospital ou adotando distanciamento emocional quanto à criança. Com o tempo, podem desenvolver depressão, ansiedade, insônia, apatia, raiva e agressividade. E esses sintomas, evidentemente, podem prejudicar sua competência como pais.

Kim Roscoe está enfrentando essas ansiedades agora, 16 meses depois do nascimento de Jaxon. "Ainda fico em pânico se ele tem um resfriado", diz. "E caso ele esteja com febre, corro de volta à NICU".

Fonte: Terra



  • TAGS

Tem um bebê
prematuro?

Preencha nossos cadastro e ajude
a direcionar as ações da nossa ONG

Cadastre-se