• Parceiros oficiais:
  • Efcni
  • March of Dimes
Arraste para navegar

Novo teste pode ajudar a descobrir se bebê será prematuro

26/09/2017 Um estudo do MIT mostrou que análise do muco cervical de mulheres grávidas indica se uma gestação tem um risco alto de terminar antes da hora.

O parto prematuro pode causar danos ao bebê, como deficiência auditiva e visual, problemas cardíacos e pulmonares e deficiências cognitivas, o que demanda atenção especial logo nos primeiros momentos de vida. Monitorá-lo e preveni-lo, no entanto, ainda não é tão simples. Há poucos testes que avaliam, por exemplo, as chances de uma mulher ter o filho antes do recomendado. Apesar de exames neonatais ajudarem a acompanhar o crescimento do bebê, ainda não há como prever o exato momento em que uma mulher entrará em trabalho de parto. Saber se a gravidez é viável ou não o mais rápido possível, porém, é essencial para agilizar certas medidas preventivas – tanto para a saúde da mãe como para a da própria criança. A análise do muco cervical, segundo pesquisadores norte-americanos, poderá sanar esse problema, se tornando uma espécie de referência nos consultórios ginecológicos. Detalhes do trabalho foram divulgados na edição desta semana da revista Scientific Reports.

"Queremos ser capazes de identificar o risco de nascimento precoce bem antes de ele ocorrer, porque sabemos que ferramentas de diagnóstico com essa capacidade estão em falta", explica, em comunicado à imprensa, Katharina Ribbeck, professora-associada de engenharia biológica no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, pela sigla em inglês) e autora principal do estudo. A estimativa global, segundo os autores, é de que 18% dos bebês nascidos no planeta vêm antes do período indicado: após 37 semanas de gestação.

Ribbeck trabalhava com as mudanças no muco cervical antes de iniciar a pesquisa atual. Em um estudo divulgado em 2013, ela descobriu que, nas gestantes com alto risco de parto precoce, essa secreção vaginal é mecanicamente mais fraca e mais elástica do que nas mulheres com gravidez de baixo risco. Para o novo estudo, a pesquisadora e os colegas decidiram investigar a permeabilidade do muco.

“Ele é formado a partir de polímeros conhecidos como mucinas, e a composição e a disposição dessas mucinas determinam o poro do gel. Entre 25% e 40% dos partos precoces são causados por infecções que ocorrem quando micróbios atingem o útero através do muco, que normalmente bloqueia o acesso desses micro-organismos”, explica a cientista.

Para o novo estudo, foram coletadas amostras de muco cervical de dois grupos de mulheres durante a gestação e após o parto. Um foi composto por voluntárias classificadas como de baixo risco: gestantes que tiveram os filhos após 37 semanas de gestação. O outro, por mulheres que entraram no trabalho de parto entre a 24ª e a 34ª semana. Ao analisar a composição das secreções vaginais, os investigadores concluíram que, significativamente, as amostras das mulheres do primeiro grupo eram mais permeáveis.

Para os pesquisadores, essa constatação sugere que o muco cervical de grávidas de alto risco, por razões ainda não conhecidas, pode ser mais suscetível à invasão por bactérias e micróbios potencialmente prejudiciais ao útero, aumentado as chances de elas experimentarem uma infecção que leve ao parto prematuro. Segundo Ribbeck, a suspeita é de que isso ocorra devido a mudanças na estrutura molecular das mucinas, que compõem a parte estrutural do muco cervical. “Além disso, o muco alterado pode ser menos capaz de reter componentes úteis do sistema imunológico, como anticorpos ou péptidos antimicrobianos, o que normalmente ajudaria a combater as infecções”, completa.

Sobre o teste

Os pesquisadores, então, testaram a densidade do muco cervical de cada grávida. Usando pequenas esferas, com 1 micrômetro (10-6 m) de tamanho, eles perceberam que os mucos de cada grupo tinham porosidades e aderências diferentes – já que as microesferas se moviam em velocidades distintas.

Depois, repetiram o mesmo teste, dessa vez usando peptídeos. Passar por entre o muco das mães de bebês prematuros, para essas partículas, foi uma tarefa bem mais fácil. Segundo Katharina Ribbeck, co-autora do estudo, essa característica tornaria certas mulheres mais vulneráveis às bactérias e, assim, aumentaria suas chances de dar à luz antes do tempo.

Parâmetro clínico

João Serafim Neto, coordenador do Ambulatório de Obstetrícia e Especialidades Ginecológicas do Hospital Santa Lúcia, em Brasília, avalia que o trabalho norte-americano embasa informações conhecidas na área médica. “A principal causa dos partos prematuros está ligada a fatores infecciosos. Por isso é feita uma análise do muco cervical, que é uma barreira mecânica para esse tipo de problema. O diferencial é que, nesse estudo, esses pesquisadores conseguiram mostrar dados relacionados ao nível de permeabilidade desse material. O ponto principal é que eles mostram valores estatísticos para corroborar essa relação.”

O especialista ressalta que ainda é cedo para dizer que o método proposto do pelos cientistas do MIT seria mais confiável e eficaz do que os usados atualmente. “Eles estão com um estudo inicial que precisa ser aperfeiçoado. Com estudos futuros, será possível desenvolver uma detecção mais adequada. Por isso, ainda não podemos dizer que ele seria mais confiável”, explica. Serafim Neto ressalta ainda que, detectado o maior risco de prematuridade, é possível fazer intervenções para evitá-lo. “O objetivo é diagnosticar precocemente e impedir que possíveis danos sejam causados. Quando você detecta bem antes, as chances de minimizar esses problemas aumentam.”

A intenção dos pesquisadores é que o teste seja aplicado justamente no início da gravidez, com outros exames de rotina. Ribbeck cogita outras aplicações para o dado constatado. Segundo ela, através de estudos sobre a composição química do muco, poderão surgir novas maneiras de restaurar a função normal dessa secreção. “Se o muco é mais fino ou menos adesivo do que o natural, então, podemos começar a pensar sobre os fatores a serem adicionados para melhorar essas propriedades de barreira”, resume.

Neto também avalia que uma etapa importante a ser seguida pelos cientistas do MIT é avaliar as causas de alterações do muco cervical. “Acredito que seja importante determinar os fatores que aumentam a permeabilidade, sejam hormonais, inflamatórios ou ligadas a valores nutricionais. Dessa forma, também poderá se saber como isso pode ser revertido.”

Opções limitadas

Atualmente, a maneira mais comum de se calcular o risco de nascimento prematuro é medir o comprimento da cervical do útero – tamanhos mais curtos representam risco maior. Outro método envolve a análise da fibronectina fetal, material que prende o bebê às paredes do útero.

No entanto, nenhum deles se mostrou definitivo: mesmo apresentando padrões normais para esses dois critérios, mães ainda podem ter filhos prematuros. Ribbeck defende que os testes de muco podem ser feitos ainda em estágios iniciais da gravidez, como parte dos exames de rotina. Fazendo isso, conseguiria-se mapear com precisão uma das possíveis causas dos partos prematuros, preparando melhor a mãe para esse cenário.

Fonte: Correio Braziliense e Saúde (notícias originais publicadas em 09/17)
(Foto: ST/Shutterstock)



Tem um bebê
prematuro?

Preencha nossos cadastro e ajude
a direcionar as ações da nossa ONG

Cadastre-se