• Parceiros oficiais:
  • Efcni
  • March of Dimes
Arraste para navegar

Doce princesinha Janine

23/02/2017 janinecomlogo05

"Novembro, mês da prematuridade. Muito prazer, dona prematuridade.

Então, dona prematuridade, agora nos conhecemos. Como foi difícil aceitar que você viria! Me perguntei muito o porquê você me escolheu, onde eu havia errado? Hoje não me faço mais essas perguntas, porém, apesar de termos nos tornado tão próximas, você ainda me põe muito medo. Para alguém que não conheça a minha história pode se perguntar: Do que essa louca está falando? Então, hoje, dia 29 de novembro de 2016, eu finalmente resolvi contá-la em detalhes, pelo menos aqueles que a memória me permitir, do que se passou comigo, de como eu e Sra. Prematuridade nos conhecemos.

O inesperado

Dia 07 de outubro de 2015, depois de passar muito tempo achando que ser mãe era algo que não viria pra mim, veja só, durante um ultrassom para verificar possíveis infecções, o médico me faz a pergunta de um milhão de dólares: "Quando foi tua última menstruação?". A resposta: "Sei lá doutor, toda vida isso foi uma bagunça". E ela já estava lá em formação e me causando muito sono.

Gravidez

A gravidez mais curta que já havia tido notícia. Durou 4 meses. Descobri no segundo e foi até o sexto mês. Nossa, como foram loucos esses quatro meses! Feliz feliz feliz e doente até síndrome de nome enjoado eu tive: Síndrome de Stevens-Johnson. Ninguém merece. Mas passou e, quando eu achei que estava tudo bem, fui apresentada a Sra. Prematuridade.

O primeiro momento

Minha filha, Janine Ludmila, veio ao mundo no dia vinte e nove de fevereiro de dois mil e dezesseis (isso mesmo 29/02) de parto normal com 27 semanas de gestação. Não nos conhecemos, ela foi direto pra UTI Neonatal do HBAP (ódio e amor por este lugar) em Porto Velho (RO), onde ficou até que nós duas estivéssemos prontas para vir para casa. Hoje sei que nós duas precisávamos estar prontas.

O HB

A maioria de nós não conhece bem o chão da nossa sala ou o teto da cozinha. De uma coisa tenho certeza, eu conheço bem o chão da UTI Neo do HB. Foram muitos dias andando de cabeça baixa por lá (40 dias da primeira vez, 53 no total). Nossa, quanta coisa aconteceu! Pneumonia, anemia, apneias, transfusões, aspirações. Paro aqui para agradecer as fisios que com tanto carinho cuidaram da minha vida, Dra. Daniele, Dra. Mônica e outras que a memória me impede o nome de lembrar. Vou repetir, muitos dias com a cabeça baixa. E assim o tempo passou. Ela saiu definitivamente do respirador e ganhou um pesinho, 1,195kg. Muito pra quem chegou a pesar 875 gramas.

Ela ganhou alta da UTI. Foi para o que lá eles chamam de berçário. No momento, o plano era ganhar 805g e vir pra casa. Então né, deu errado. Veio uma infecção, quase a perdi em meus braços e voltei a olhar o chão a UTI, por mais 13 dias dessa vez. Passou e ela foi para uma outra sala, o canguru. Lugar abençoado, eu podia dormir do ladinho dela numa poltrona, mas que fosse, era ao lado dela. Durou bem menos do que eu esperava 4 dias. Ela teve uma apneia devido a um quadro de anemia e foi transferida para o berçário. Graças a Deus pelo menos não era a UTI, ficou lá mais uma semana, e o Dr. Doidão, como eu o chamo, a transferiu novamente pra o abençoado canguru. Confesso, era cruel dormir numa poltrona, mas quer saber? Eu dormiria lá o ano todo ou mais pra ficar perto dela. Lá também conheci uma mulherada top do Goiás, Enf. Patrícia, Jack, Dona Francisquinha, Dadá e Rose, que me ensinaram como cuidar da minha vida.

E o tempo passou, até que um belo dia a Dra. Rafaela me disse assim: "Vamos pedir os exames pré-alta". Até olhei em volta pra ver se era mesmo comigo que ela estava falando, e era comigo. Feito os exames, estava tudo bem. Viemos para casa depois de 87 dias esperando minha Janine ganhar alta. Hoje nem parece que aquilo tudo aconteceu comigo, parece que foi em outra vida, mas foi real e conhecer a Dona prematuridade mudou a minha vida.

Continuação

Minha história continua a ser escrita todo dia, mas esse capítulo em que conheci a Dona Prematuridade e com certeza o mais triste e feliz dela. Vida que segue."

(relato da mamãe Lilian, enviado em 2016)



Tem um bebê
prematuro?

Preencha nossos cadastro e ajude
a direcionar as ações da nossa ONG

Cadastre-se