• Parceiros oficiais:
  • Efcni
  • March of Dimes
Arraste para navegar

Conheça o bebê que nasceu duas vezes

26/10/2016 lynlee01

LynLee Boemer é uma menina com uma história muito especial. Com quase cinco meses de idade, ela ‘nasceu’ duas vezes para sobreviver. Quando ainda estava na barriga de sua mãe, LynLee foi diagnosticada com um teratoma sacrococcígeo, tumor que poderia causar a sua morte. Com apenas 23 semanas de gestação ela ‘nasceu’ pela primeira vez durante uma cirurgia para a retirada do tumor. Graças ao esforço e disciplina de sua mãe, o restante da gravidez transcorreu normalmente e, no dia 6 de junho, com 36 semanas, LynLee veio ao mundo pela segunda vez.

Diagnóstico

Segundo informações da rede americana CNN, Margaret Boemer, mãe de LynLee, descobriu o problema da filha em uma consulta de rotina realizada com 16 semanas de gestação. “Foi muito chocante e assustador, porque não sabia o que a longa palavra [teratoma sacrococcígeo] significava ou qual diagnóstico traria.”, contou em uma entrevista publicada pelo Hospital Infantil do Texas, nos Estados Unidos.

Infelizmente, essa não foi a primeira má notícia da terceira gravidez de Margaret. Originalmente, ela estava grávida de gêmeos, mas perdeu um dos bebês antes do segundo trimestre

O teratoma sacrococcígeo é um tumor que se desenvolve no feto e cresce a partir de cóccix do bebê. Mais comum em meninas do que meninos, esse tumor ocorre em um em cada 35.000 nascimentos. “Esse é o tumor mais comum que vemos em um recém-nascido. Mesmo sendo o mais comum, ainda é muito raro. Alguns desses tumores podem ser muito bem tolerados, de modo que pode ser retirado após o nascimento. Mas em cerca de metade dos casos eles causam problemas de circulação no bebê. Em alguns casos, o coração não consegue se manter e o bebê morre.”, explicou Darrell Cass, co-diretor do centro fetal do hospital.

Com 23 semanas de gestação, os médicos disseram que o tumor de LynLee estava crescendo muito e precisando de cada vez mais sangue. Nesse período, o bebê também precisa de muito sangue para se desenvolver e tudo se torna uma ‘competição’, que, neste caso, a menina estava perdendo.

As únicas alternativas eram a interrupção da gravidez ou uma cirurgia fetal que tinha grande chance de não ser bem sucedida devido à gravidade do caso. “LynLee não tinha muita chance. Em 23 semanas, o tumor estava desligando seu coração e fazendo-a entrar em insuficiência cardíaca, por isso foi uma escolha entre de permitir que o tumor tomasse conta de seu corpo ou dar-lhe uma chance de vida. Foi uma decisão fácil para nós: quisemos dar a sua vida. Tipo de um milagre.”, disse Margaret.

Fonte da notícia: Veja (notícia original publicada em 24/10/16); Créditos das fotos: Reprodução/Arquivo pessoal e Paul V. Kuntz/Texas Children's Hospital 


  • TAGS

Tem um bebê
prematuro?

Preencha nossos cadastro e ajude
a direcionar as ações da nossa ONG

Cadastre-se