• Parceiros oficiais:
  • Efcni
  • March of Dimes
Arraste para navegar

Como é ser mãe de um bebê prematuro?

27/01/2014


Texto original publicado em 16 de novembro de 2012.

Por , em Health, Notebook, Science & Technology

Você senta na sala de espera da sua clínica de pré-natal como qualquer outra gestante. Você olha ao redor da sala, há mulheres em vários estágios da gravidez. Isso nos une, todas nós temos isso em comum: estar grávida, esperando um bebê.

Mas sem saber que isso em você é diferente. Você é uma em 13. Você não vai parir um bebê a termo, você vai parir prematuramente. Talvez como eu, você desenvolverá pré-eclâmpsia. Você pode entrar em trabalho de parto prematuro, a placenta pode falhar, você pode ter uma condição médica que exija que o nascimento do bebê seja antecipado, há muitas razões e, por vezes, não há razões para o parto pré-termo acontecer.

De repente, o seu mundo não serão os últimas lançamentos de carrinhos e bercinhos. Você não vai estar folheando os catálogos de cuidados com o bebê ou navegando nas lojas de berçários. Não, o caminho que você vai tomar será muito diferente.

Seu bebê está em uma caixa de plástico. Talvez eles estejam tendo ajuda com a respiração, sendo alimentados através de tubos. Talvez eles tenham algumas complicações adicionais, o seu minúsculo bebê minúsculo pode precisar de intervenções cirúrgicas. Você terá tendo conversas incrivelmente complexas com os médicos e enfermeiros, tendo que tomar decisões que terão consequências a longo prazo. De repente, a vida do seu bebê está nas mãos de estranhos - experientes, especialistas bem treinados, mas estranhos mesmo assim. Você não é mais a melhor pessoa para cuidar das necessidades complexas e em mudança do seu bebê. E isso dói.

Maternidade interrompida. Você já não está mais cuidando do seu bebê no útero. Você está restrita a seis mudanças de fraldas por hora . O resto do tempo você fica sentada, esperando, com esperanças e rezando talvez. Todos os dias você vai sair da enfermaria para o almoço, para usar o banheiro, para usar o telefone e ligar para os parentes ansiosos e você verá mães e pais andando pelo corredor com os seus bebês a termo em assentos de carro, indo para casa. Se o seu bebê nasceu tão cedo quanto o meu, com 27 semanas , você terá dias e dias disso sendo esfregado na sua cara. Você é diferente. O seu bebê é diferente. A sua jornada não é igual.

No entanto, conforme a sua jornada avança, as coisas começam a mudar. Você encontra uma força interior que você não sabia que você tinha. Você começa a entender as máquinas, os equipamentos e os regimes de medicamentos. Você começa a conhecer o seu bebê de uma maneira que poucas pessoas terão a oportunidade de ter. Você vê o seu bebê crescer de uma forma que parece tão improvável. Quando Joseph nasceu, os seus ouvidos ainda eram fundidas na sua cabeça, ele não tinha mamilos. Eu pude ver as fases de desenvolvimento e crescimento que normalmente acontecem escondidas.

Com o tempo, você aprende a lidar com os médicos, enfermeiros e outros profissionais. Você aprende como funciona o sistema. Você aprende quais estágios de desenvolvimento procurar, os próximos passos para a evolução na unidade de terapia intensiva, para a independência, ao berçário e do Santo Graal, eventualmente, que é o alojamento conjunto, um espaço para em algumas noites aprender a cuidar das necessidades do bebê. Sozinho. Você se acostuma com o fato de que seus marcos são diferentes. Que você está esperando para o seu bebê a aprender a respirar, alimentar-se e, eventualmente, gerir os dois simultaneamente, o que é mais difícil do que você possa imaginar.

Meu bebê nasceu com 27 semanas de gestação, há três anos. A nossa experiência eu acho que, de certa forma, faz definir o tipo de pai que eu sou agora. Eu o seguro muito apertado, mas tento aprender a deixá-lo ir, deixá-lo brilhar. Somos uma das famílias extremamente sortudas. O meu filho desafiou todas as expectativas, apesar de ter apenas 770 gramas no nascimento, eu já o pego com seus pares e ele está prosperando na pré-escola.

Tendo Joseph com 27 semanas mudou completamente a minha visão da vida. Me foi ensinada uma lição muito dura, em não tomar as coisas como concedidas para sempre. Eu aprendi que eu sou, como diz o clichê , mais forte do que eu jamais poderia ter imaginado; mais corajosa do que eu jamais imaginei ser possível. O Joseph me ensinou isso ao ser o menorzinho humano, com a sua vontade inquebrável para sobreviver. Ensinou-me a confiar.

Eu acredito fortemente que a prematuridade precisa ser analisada mais detalhadamente pelo Serviço Nacional de Saúde e profissionais de saúde. Eu acredito que muitas vezes nós dizemos ''bem, é uma daquelas coisas''. Parece- me que há uma aceitação que um em cada 13 bebês nascerão prematuramente. A prematuridade é cara, tem um custo enorme para as famílias e os bebês e um custo financeiro. Eu acredito fortemente que precisamos de muito mais cuidados com a gravidez de alto risco, ao identificar qual gravidez está em alto risco, e fornecendo o suporte adequado.

Eu também acredito fortemente que as medidas heróicas tomadas por nossas equipes neonatais precisam ser apoiadas por investimento nas pessoas que compõem essas equipes, e os equipamentos que são necessários. Eu também acredito que precisamos de um sistema muito mais coeso para dar apoio aos filhos que nascem prematuramente e que vão precisar a longo prazo, muitas vezes cuidados ao longo da vida, e equipamentos provisórios.

Para ler o blog da Kylie Hodges, clique aqui. (em inglês)

A Kylie contribuiu com um guia sobre o nascimento prematuro intitulado ''Ter um bebê prematuro'', que é produzido pela organização de caridade bebê Tommy. O guia tem como objetivo apoiar as famílias que esperam um bebê prematuro ou que recentemente teve um bebê que chegou mais cedo. O guia é financiado pela Fundação Asda e pode ser encomendado gratuitamente a partir www.tommys.org/store.

Os fundos de pesquisa médica de Tommy fornece informações sobre as causas e prevenção de aborto espontâneo, parto prematuro e natimorto.

Fonte: The Independent


  • TAGS

Tem um bebê
prematuro?

Preencha nossos cadastro e ajude
a direcionar as ações da nossa ONG

Cadastre-se