• Parceiros oficiais:
  • Efcni
  • March of Dimes
Arraste para navegar

Como acompanhar a curva de crescimento dos prematuros

28/06/2011 CurvaCrescimentoPrematuro

À primeira impressão assusta! Mas calma! É mais simples que parece. Vou explicar de maneira bem objetiva, ou pelo menos vou tentar!

Essa é uma das curvas mais conceituadas, atualizadas e utilizadas como referência para o acompanhamento do crescimento de bebês prematuros. Ela abrange desde os mais prematurinhos, bem extremos, até a idade de termo (>37 semanas). É bem completa, contemplando comprimento ("Lenght"), perímetro cefálico ("Head Circumference") e peso ("Weight") e permitindo que os bebês sejam acompanhados semanalmente.

Assim como esta aqui apresentada (Fenton, 2003), as curvas de acompanhamento de bebês prematuros baseiam-se no padrão de crescimento do bebê ainda no útero. Elas são excelentes instrumentos para avaliarmos a saúde e acompanharmos se o bebê está crescendo adequada e proporcionalmente, juntamente com o exame clínico e os dados laboratoriais do bebê. Porém, temos estas curvas somente como referência, pois devemos levar em consideração que quando o bebê nasce, ele é submetido à várias situações adversas ainda na UTI e, portanto, seu padrão de crescimento tende a ser diferente daquele esperado enquanto ele estava na barriga da mãe.

Para entender como funciona a curva:

- Lá embaixo, na linha horizontal, que vai de 22 a 50, temos a idade gestacional atual do bebê, contada por semanas, ou seja: se ele nasceu de 26 semanas, temos que acompanhar a linha vertical que sai da marca "26";

- No lado esquerdo, na vertical, temos inicialmente, lá embaixo, a contagem em quilos (kg) de 0 a 4kg e depois segue a contagem em centímetros, de 20 a 65cm. O mesmo ocorre na barra vertical direita do gráfico, de maneira levemente diferente.

- Uma vez tendo os dados coletados do bebê, seguimos a linha vertical referente à semana gestacional (não a corrigida!) e verificamos comprimento (cm), perímetro cefálico (cm) e peso (kg). O ideal é que o ponto de encontro das linhas esteja sempre perto da linha central da curva, em negrito (chamamos de percentil 50). Essa linha central se refere à "normalidade",  digamos assim, à média da população. O ideal é que os dados coletados do bebê encontrem-se sempre bem perto dessa linha central. O distanciamento da mesma é sinal de alerta à equipe da UTI.

Não esqueça que existem altos e baixos durante as fases de crescimento do prematuro e, portanto, raramente vamos ver uma curva que segue exatamente os contornos das linhas de referência. E isso não é grave! É que o prematuro tem um padrão de crescimento peculiar. Sem contar com as possíveis intercorrências clínicas que podem afetar o ganho de peso, comprimento e perímetro cefálico.

Importante também salientar que utilizamos essa curva somente até o bebê chegar na semana 40 (que seria a época de seu nascimento), olhando sua idade cronológica em semanas. A partir daí devemos usar como referência as novas curvas da Organização Mundial de Saúde de 2007, utilizando-se sempre a idade corrigida do prematuro.

Se você ficou com dúvidas sobre como usar a curva, por favor, não hesite em perguntar! Tentei ser o mais clara possível, mas posso ter sido um pouco técnica demais, já que essa é minha área de estudo.

Espero que tenham gostado e que seja útil. É sempre bom saber mais sobre a saúde de nossos pequenos!

Denise Suguitani (nutricionista e fundadora do Prematuridade.com)



Tem um bebê
prematuro?

Preencha nossos cadastro e ajude
a direcionar as ações da nossa ONG

Cadastre-se