• Parceiros oficiais:
  • Efcni
  • March of Dimes
Arraste para navegar

Bebê indiana que nasceu com menos de 400 gramas sobrevive

Manushi nasceu três meses antes do tempo esperado.

O jornal britânico The Sun apresentou ao mundo recentemente a história de Manushi, uma menina indiana que veio ao mundo em junho de 2017 pesando apenas 396 gramas. A prematura extrema recebeu uma estimativa de apenas 0,5% de chances de sobrevivência ao nascer. 

Seeta, a mãe da garotinha, teve uma gestação tardia, aos 48 anos, e sofreu diversas vezes com pressão alta durante o período, dois fatores de risco para a prematuridade. Na 28ª semana de gravidez, um ultrassom revelou que a placenta não estava recebendo sangue suficiente, situação que ameaçava a vida de sua filha. Os médicos decidiram, então, fazer uma cesariana de emergência.

No momento do parto, três meses antes do ideal, Manushi media 21 centímetros e tinha órgãos vitais ainda não totalmente desenvolvidos, como rins, coração e cérebro. Por isso, a pequena teve que ficar tanto tempo internada na UTI neonatal. ”Ela simplesmente lutou, lutou e lutou contra todas as probabilidades, mas conseguiu vencer”, disse Seeta à imprensa.

Segundo o veículo inglês, ela teve alta em janeiro, pesando agora 2,3 quilos, uma medida bem mais saudável.

Trabalho intenso
O médico responsável pelo caso, Sunil Janged, disse que quando o bebê nasceu, a equipe não tinha certeza do que iria acontecer. “Ela estava com dificuldades para respirar, então a colocamos imediatamente no ventilador”, contou Janged.

Além disso, Manushi não podia mamar normalmente por conta da imaturidade de seu sistema digestivo. Tanto que, no início, recebeu alimentação parenteral, quando os nutrientes são inseridos diretamente na corrente sanguínea. Depois de sete semanas de vida, a recém-nascida já estava pronta para tomar leite materno.

Desde então, ela passou a respirar por conta própria e seu cérebro não apresenta nenhum sinal de dano. Graças à recuperação, os pais chamam a pequena de “milagre da vida real”. Com razão!

Fonte: Bebê.com.br (notícia original publicada em 17/01/2018).
Fotos: NEWSLIONS/SWNS



Tem um bebê
prematuro?

Preencha nossos cadastro e ajude
a direcionar as ações da nossa ONG

Cadastre-se